Alguns dos artigos mais recentes do blog AHO abordaram as inovações, tecnologias e até mesmo formas de não se envolver com novidades nada vantajosas para nós. Então decidi aproveitar para falar sobre inovação e tecnologia dentro do ambiente de trabalho.

Algumas pessoas consideram que o mal do século pode ser resumido à tão temida e conhecida ansiedade, mas eu diria que ela, cumulada com uma rotina sedentária e a má alimentação que assola a maioria das pessoas, pode gerar um conjunto de prejuízos para o indivíduo e a sociedade.

Agora, vamos pensar: imagina esse conjunto somado com a ausência de saúde mental que também afeta tantos indivíduos! Ou melhor, será que esse conjunto não é o que efetivamente afeta a saúde mental?

Agora que você já refletiu sobre alguns dos problemas atuais que enfrentamos, eu acho necessário fazer mais um questionamento: será que todos esses problemas afetam o desempenho no trabalho ou será que o trabalho pode agravar os sintomas?

Esgotamento físico e mental cuja causa está ligada à vida profissional é conhecido como burnout e vem preocupando cada vez mais, pois os sintomas estão ligados ao aumento da ansiedade, e convenhamos que com a tecnologia tão avançada não são todas as pessoas que conseguem se desligar do trabalho – mesmo quando devem – e “não custa nada dar uma olhadinha no e-mail, mesmo que esteja de férias, né?” Pois é, algumas pessoas têm dificuldade de se desligar das redes, isso inclui o trabalho.

Por esses e tantos outros motivos é possível afirmar que os acontecimentos dentro das empresas estão apenas refletindo como a sociedade está, bem como o interior de cada pessoa.

Assim, as empresas perceberam que era necessário atuar de forma para prevenir que os funcionários adoecessem, e ressalto que grandes e pequenas empresas têm essa preocupação, atuando com olhar preventivo.

Mais uma vez a solução encontrada foi usar a tecnologia a nosso favor, surgindo nas organizações plataformas de terapia on-line e presencial, e o que considero mais inovador: um robô que interage com as pessoas e acompanha as suas emoções diariamente. Quando um funcionário é identificado com emoções em risco é aplicado um cuidado efetivo específico para o indivíduo, pode ser uma lista de exercícios, terapia on-line ou até mesmo uma orientação para a alimentação.

O robô foi criado pela startup Hisnëk identificando tristeza e cansaço nos colaboradores, e já está sendo muito utilizado, pois uma das maiores preocupações de líderes de Recursos Humanos é a gestão da saúde corporativa.

Visando incentivar que as empresas prossigam com os cuidados internos para evitar o Burnout, a ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) e a ASAP (Aliança para Saúde Populacional) lançaram no dia 11/12/2019 o programa Empresa Saudável contando com o apoio da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). As empresas que possuírem o selo de “empresa saudável” podem solicitar futuramente a redução de custos em planos de saúde.

Anteriormente eu citei a dificuldade que algumas pessoas possuem em realmente se desligar das redes – inclusive no trabalho –, o que torna necessário ressaltar que essa é uma tarefa conjunta, ou seja, não basta que apenas as empresas implementem as novidades do mercado, o empregado também é responsável por evitar a incidência dos problemas que foram abordados, pois a imediatidade é uma das características mais presentes da atualidade.

Acredito que a saúde mental nunca havia sido tema de tanta preocupação como é atualmente. As organizações estão buscando atuar de forma preventiva para manter um bom ambiente de trabalho e, mais que isso, manter o funcionário saudável.

Pois bem. Como anda a sua saúde mental?

EnglishPortuguese